O PLANETA EXISTE SEM A HUMANIDADE, MAS A RECÍPROCA NÃO É VERDADEIRA. CABE ÀQUELES QUE TÊM CONSCIÊNCIA, ILUMINAR O CAMINHO – SEM SOLIDARIEDADE NÃO HÁ SOCIEDADE. UNIDOS SOMOS MAIS FORTES. CIDADE SUSTENTÁVEL JÁ!


quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Rebelde

Quando você sabe de que lado da vida escolheu ficar, realmente não há sentido no julgamento, apenas retire do seu convívio aqueles que não combinam com você – simples assim! A personalidade do “rebelde autoaceitado” é perseguida, tanto quanto é imitada por muitos, mas somente uma parcela mínima da humanidade consegue vislumbrar essa qualidade refinada de identidade humana. Há uma comunidade científica consciente dessas “divindades”, mas há um grupo pseudo científico, cujo conceito compromete deveras os próximos exemplos da maior riqueza comportamental do Universo.
Ser rebelde não é infringir leis, tampouco criar conflitos que ponham em risco a sua integridade assim como a de muitos. O comportamento de este ser humano especial é atento ao que é justo diante da dinâmica universal, a única crença que ele reconhece é a vida, o único criador que ele reconhece é o que existe dentro de cada ser humano em sua complexidade adorável. É uma personalidade adoradora da Existência. Obviamente ama tudo o que existe e respeita o lugar que escolheu para viver. O mistério do universo reside nesse verdadeiro ouro alquímico em forma humana, espalhado por aí. Sem considerações românticas, é um ser perfumado de paz, amor, riso e dignidade. Ah, a intrínseca intensidade apaixonante do rebelde transborda uma sensualidade assombrosa, mas não é promíscuo nem vulgar, simplesmente porque é um ser amante da pureza, ou seja, sexo é puro à essência verdadeiramente inteligente.
A capacidade, o talento e a determinação são tão fortes, que muitas vezes suas atitudes exemplares são confundidas como diversas ações mundanas. O “rebelde autoaceitado” não está contra algo, mas a favor da verdade universal. É determinado, não ditador. É objetivo, não frio. É generoso, não tolo. É inteligente, não máquina de repetição. É clarividente e clariaudiente, não um médio ou discípulo doutrinado para determinados fins. Ao cruzar o caminho de alguém, esse exemplo de “Teia da Vida” sem qualquer sombra de dúvida, espalha o seu “Fio” e a vida se renova, um novo roteiro ressurge magistralmente. 
Enfim, vale uma respiração profunda com o olhar focado no centro do “Universo Perfeito” para perceber o suave “Sinal” dessa presença humana magnífica e tão bela que até o "Diabo" ajuda, afinal, forças antagônicas verdadeiras conhecem profundamente os seus limites para permanecer na eternidade da “Mandala da Vida” – esse é o verdadeiro conceito de plenitude.
Este texto é dedicado aos seres humanos que possuem a percepção aguçada exercitando sábia e generosamente os seus dons - a minha profunda gratidão pela convivência respeitosa -, igualmente um alerta objetivo aos que ainda confundem as definições dos adjetivos na conduta cotidiana.